A base do seu projeto começa aqui !

Oque é Sondagem ?

Oque é Sondagem SPT ?

Sondagem SPT ou sondagem a percussão é o método de investigação do subsolo mais utilizado no Brasil, por ser um ensaio prático, de baixo custo e que apresenta informações essenciais para subsidiar qualquer projeto de geotecnia, seja ele de contenção de taludes, fundações, pavimentação entre outros. Por isso antes da implementação do projeto, é necessário executar a sondagem de reconhecimento do subsolo para prever e evitar possíveis problemas de natureza geológica e geotécnica que podem prejudicar ou até inviabilizar o projeto.

 

Normatizada pela NBR-6484/20 – “Solo – Sondagem de Simples Reconhecimento com SPT – Método de Ensaio” é um método de investigação direta do subsolo, através do qual se pode medir a resistência do solo, obter amostras para a determinação do perfil estratigráfico, saber a profundidade do nível do lençol freático (quando interceptado), além de possibilitar a execução de vários ensaios In Situ, como por exemplo ensaios de infiltração, aproveitando-se a perfuração.

Execução da Sondagem

Para a execução dos serviços é necessário à abertura de um tripé que necessita de um espaço de 4,00m x 4,00m e um pé direito de 4,50m, deve-se evitar a marcação de pontos próximos a rede de energia.

A Sondagem é iniciada através do trado-concha até a profundidade de 1,00 metro, coleta-se uma amostra desse material que é colocado em saco plástico apropriado e etiquetado.

A cada metro de profundidade é realizado o ensaio SPT, a sigla SPT tem origem no inglês (standard penetration test) e significa ensaio de penetração padrão, que consiste na cravação de um amostrador padronizado no solo, através da queda de um peso/ martelo batente de 65kg que cai em queda livre de uma altura de 75cm, divide-se o amostrador em 3 segmentos de 15 cm e anota-se o numero de golpes necessários para a cravação de cada segmento. Após a execução do ensaio, o amostrador é aberto e retira-se uma amostra representativa do solo, essa amostra é acondicionada em saco plástico e etiquetada para ser encaminhada ao laboratório, onde um geólogo ou engenheiro civil fará a descrição táctil-visual e a classificação do material encontrado, determinando o perfil estratigráfico do solo.

Através desse ensaio é obtido o índice de resistência à penetração do solo, que de acordo com o definido por Terzaghi-Peck (Soil Mechanics in Engineering Practice) é a soma do número de golpes necessários a cravação no solo dos 30 cm finais do amostrador.

Quando o nível do lençol freático é interceptado, utiliza-se o processo de circulação de água para o avanço da profundidade da perfuração.

RELATÓRIO 

De acordo com a NBR 6484/2020, os resultados das ondagens SPT devem ser apresentados em elatórios numerados, datados e assinados por um responsável técnico perante ao CREA (Conselho gional de Engenharia e Agronomia).

No relatório de sondagem de solo a percussão deve constar o nome do contratante, local e natureza da obra, indicação do sistema utilizado (manual ou mecanizado), descrição do método e dos equipamentos empregados na execução das sondagens, o total perfurado em metros, somando todas as perfurações executadas, declaração de que foram obedecidas as normas brasileiras vigentes relativas à sondagem de solo a percussão, observações, comentários importantes ao contratante e citação dos desenhos constantes no relatório.

O relatório deve conter em seu anexo a planta do local da obra, quando enviada pelo contratante à empresa executora, caso não possua a planta do local, deve-se realizar um croqui contendo referências facilmente encontráveis (ruas, marcos topográficos, etc.), de forma a não deixar dúvidas quanto sua localização.

A planta ou croqui deve conter a referência de nível (RN) utilizada para o nivelamento das cotas dos furos de sondagem de solo a percussão executadas, juntamente com a descrição física do elemento tomado como RN, por exemplo, RN poste.

Devem ser apresentados no relatório os resultados das sondagens em desenhos com escala vertical de 1:100 contendo o perfil individual de cada sondagem ou seções do subsolo, nos quais devem constar, obrigatoriamente:

 

  • Nome da firma executora das sondagens, o nome do interessado ou contratante, local da obra, indicação do número do trabalho e os vistos do desenhista, engenheiro civil ou geólogo, responsável pelo trabalho;

  • Diâmetro do tubo de revestimento e do amostrador empregados na execução das sondagens;

  • Número(s) da(s) sondagem(s);

  • Cota(s) da(s) boca(s) dos furo(s) de sondagem, com precisão centimétrica;

  • Linhas horizontais cotadas a cada 5 m em relação à referência de nível;

  • Posição das amostras colhidas, devendo ser indicadas as amostras não recuperadas e os detritos colhidos na circulação de água;

  • As profundidades, em relação à boca do furo, das transições das camadas e do final da(s) sondagem(s);

  • Índice de resistência à penetração N ou relações do número de golpes pela penetração (expressa em centímetros) do amostrador;

  • Identificação dos solos amostrados e convenção gráfica deles conforme a NBR 13.441;

  • A posição do(s) nível(is) d’água encontrado(s) e a(s) respectiva(s) data(s) de observação(ões), indicando se houve pressão ou perda de água durante a perfuração;

  • Indicação da não ocorrência de nível de água, quando não encontrado;

  • Datas de início e término de cada sondagem;

  • Indicação dos processos de perfuração empregados (TH trado helicoidal, CA - circulação de água) e respectivos trechos, bem como as posições sucessivas do tubo de revestimento e uso de lama de estabilização quando utilizada;

  • Procedimentos especiais utilizados, previstos na Norma;

  • Resultado dos ensaios de avanço de perfuração por circulação d’água.